O alfinete, a felicidade e as estrelas.

“De onde vem?”
“Qual deles: o alfinete, a felicidade ou as estrelas?”
“Todos.”

Acho incrível a capacidade que nós temos de escolher o estado de espírito. Mesmo que, muitas vezes, seja uma escolha involuntária.
O alfinete é algo que tenta incomodar sua felicidade, que por sua vez, parecia depender das estrelas no céu que, de tempo fechado, as escondia.
Todos fatores externos que são válidos apenas aos olhos que os vêem.
*Num gole encontraste a vida que está além do que se vive. Por isso não podem te provar nada contra o que está guardado aí dentro. É seu.
Exato, o que está aqui dentro é meu. Agora já posso ver as estrelas, porque são minhas, mesmo na condição de que também são suas. A felicidade? Eu não contestaria a autenticidade desta palavra que corre livremente aqui dentro, e o alfinete já pode incomodar à vontade, só atingirá enquanto eu permitir, até onde eu permitir.
“De onde vêm? Daqui de dentro, todos.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s